Verbo

"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade."

João 1:14

Boas Festas

Boas Festas
Desejamos a todos um Feliz Natal, um 2019 de bênçãos e vidas plenas de sentidos.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Missão

Nossa missão: Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

Paul McCartney - Simply Having A Wonderful Christmas Time

Feliz 2019

Feliz 2019

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Devaneando por mundos paralelos



                         A Copa do Mundo, que se esvai, mais uma vez, pode ser comparada com os tradicionais concursos vestibulares que eram ou ainda são realizados por instituições de ensino superior. Tomemos como exemplo os exames vestibulares da Universidade Federal do Ceará (UFC), que deixaram de ser aplicados, em 2010, quando a instituição passou a basear seus processos de admissão de novos alunos para a maioria dos cursos de graduação nas notas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Na verdade, a corrida pelas vagas naqueles cursos, seja por vestibular ou por ENEM, já começa antes mesmo de o árbitro autorizar o bater o centro de campo, e já são eliminados de pronto aqueles que não são pontuais, na chegada aos locais das provas.


                         A primeira fase do vestibular consistia de 120 questões objetivas de múltipla escolha, cada uma com 05 alternativas, sendo apenas 01 correta a ser marcada pelo candidato, num cartão de respostas. As questões eram divididas em dois dias de provas e abordavam os assuntos mais discutidos nas escolas de ensino médio, nas áreas de língua portuguesa (incluindo questões baseadas na leitura de alguma obra clássica da literatura nacional ou local), língua estrangeira de escolha do candidato, matemática, biologia, química, física, história e geografia. Esta fase era de livre concorrência, podendo participar uma quantidade numerosa de candidatos de níveis intelectuais variados. Assim como em maratonas de rua, como a São Silvestre, por exemplo, no vestibular também há muitos amadores que se inscrevem sem know-how suficiente para competir, apenas para fazer volume. No meio deles, há muitos que se dedicam de verdade, pensando no futuro. Já na Copa do Mundo, não se pode dizer que os participantes sejam amadores. Todos os países pleiteantes se prepararam com o que tinham de melhor ao alcance, reunindo e apresentando o que tinham de melhor, em matéria de futebol. A primeira fase do vestibular equivalia à fase de grupos da copa, quando um número maior de seleções se digladiam, dentro dos seus respectivos grupos, mas, para a fase seguinte, são selecionados alguns grupos seletos de candidatos, por critérios bem delimitados. Pelo menos metade dos candidatos é sumariamente eliminada.


                         Para ser classificado para a fase seguinte do vestibular, não bastava o candidato acertar o maior número de questões possível. Ele também ficava na dependência do desvio-padrão, uma espécie de cálculo estatístico que considerava a quantidade de candidatos que acertavam cada questão. Com isso, aquelas questões com menor número de acertos acabavam tendo um peso maior, e os candidatos que as acertavam acumulariam uma pontuação padronizada maior, em relação aos seus concorrentes. Na prática, acontecia com muitos vestibulandos algo muito parecido com o que acontece com os candidatos nas eleições. Nem sempre os candidatos que recebem muitos votos são eleitos. Por vezes, candidatos com menores votações são eleitos, devido ao quociente eleitoral, uma jogada aritmética que permite que o candidato mais votado para um cargo do Poder Legislativo, por exemplo, onde há vagas para muitos, leve consigo muitos dos candidatos de seu partido ou coligação, enquanto outros candidatos, sendo de oposição, mesmo bem votados, ficam na mão. 


                          A segunda fase do vestibular consistia também em dois dias de provas. No primeiro dia, havia uma prova de redação, na qual era solicitada a confecção de um texto técnico, num período de três horas, que poderia ser de caráter dissertativo, narrativo ou descritivo, de acordo com o tema proposto, e, nesse texto, era rigorosamente avaliada a observância das regras gramaticais da língua portuguesa. Essa prova valia 80 pontos, e, geralmente, os aspirantes aos cursos mais visados, como medicina, odontologia e direito, por exemplo, chegavam com os peitos estufados, assim como as seleções ditas favoritas do mundial, porém devida e teoricamente capacitados a fechar a prova, como se dizia na época, ou seja, com potencial para escrever textos impecáveis em tempo recorde, faturando a pontuação máxima com tranquilidade e conseguindo se manter em pé de igualdade, até aqui. No segundo dia, havia duas provas discursivas de questões abertas, com respostas subjetivas, mas não muito extensas, e específicas de disciplinas ligadas ao curso almejado pelo candidato. Para os cursos de medicina, de odontologia e de outras profissões da área de saúde, por exemplo, as provas específicas eram de química e de biologia. Já para os cursos de direito e de outras profissões ligadas às ciências humanas, eram de língua portuguesa e de história.


                           A segunda fase do vestibular seria equivalente às fases eliminatórias da copa, o temido mata-mata, onde as oitavas-de-final, as quartas-de-final, as semifinais e as finais ocorreriam, praticamente, de modo simultâneo. No hiato entre uma fase e outra, ao mesmo tempo em que o clima do certame esfria, devido à redução drástica do número de participantes, e de seus torcedores também, para os que ficam, o clima esquenta, e a disputa fica mais acirrada. Nos páreos pelos cursos mais concorridos, a prova de redação seria como uma partida que termina em empate, no tempo regulamentar. Já as provas específicas seriam como a prorrogação do jogo ou, até mesmo, chegando às raias da decisão nos pênaltis.


                          Atualmente, para a maioria das principais universidades, a disputa acontece no campo do ENEM, mas nem por isso se torna menos acirrada e menos complexa. A diferença é que, sendo um concurso de fase única, quando todos os candidatos se enfrentam ao mesmo tempo e, teoricamente, com as mesmas chances de vitória, o formato do ENEM acaba se assemelhando mais a um torneio por pontos corridos e com jogos de ida e volta, como o Campeonato Brasileiro de Futebol da Série A, por exemplo. Falando em Brasileirão, com o fim da Copa do Mundo, as atenções devem se voltar novamente aqui para dentro de nosso tapetão de mais de oito milhões de quilômetros quadrados. A bola volta a rolar em nossos estádios e no cotidiano.


                          Uma vez superados todos aqueles percalços, é receber a devida recompensa, partir para a comemoração, com os devidos respeito e parcimônia, relaxar e se preparar para novas aventuras, porque sempre virão novos desafios. Você que já passou por tanta coisa na vida, inclusive por algo parecido com tudo isso que apresentamos até aqui, já se deu conta de tudo que você já fez e de tudo que já superou??? Não sente um misto de arrepio com alívio, tal como devem estar sentindo aqueles que acompanharam o dramático resgate de jovens presos numa caverna, na Tailândia, assim como os próprios protagonistas devem estar sentindo??? Pelo menos assim você se senta, reflete um pouco sobre a sua história, aprende os significados e os valores de cada página virada na sua vida e agradece à Deus por chegar a algum lugar, sempre.


                           Ao final desta copa, espera-se que a FIFA tenha ao menos a fineza de homenagear aqueles jovens sobreviventes das cavernas da Tailândia, que são debutantes nas categorias de base do futebol, sonhando com uma carreira profissional consagrada no esporte. Um bom final de semana a todos.



---X---



Nenhum comentário:

Postar um comentário