O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Lemoralética




Naqueles dias, o sacerdote Esdras apresentou a Lei diante da assembleia de homens, de mulheres e de todos os que eram capazes de compreender. Era o primeiro dia do sétimo mês. Assim, na praça que fica defronte da porta das Águas, Esdras fez a leitura do livro, desde o amanhecer até ao meio-dia, na presença dos homens, das mulheres e de todos os que eram capazes de compreender. E todo o povo escutava com atenção a leitura do livro da Lei. Esdras, o escriba, estava de pé sobre um estrado de madeira, erguido para esse fim. Estando num lugar mais alto, ele abriu o livro à vista de todo o povo. E, quando o abriu, todo o povo ficou de pé. Esdras bendisse o Senhor, o grande Deus, e todo o povo respondeu, levantando as mãos: 'Amém! Amém!'

Depois inclinaram-se e prostraram-se diante do Senhor, com o rosto em terra. E leram clara e distintamente o livro da Lei de Deus e explicaram seu sentido, de maneira que se pudesse compreender a leitura. O governador Neemias e Esdras, sacerdote e escriba, e os levitas que instruíam o povo, disseram a todos: 'Este é um dia consagrado ao senhor, vosso Deus! Não fiqueis tristes nem choreis', pois todo o povo chorava ao ouvir as palavras da Lei. E Neemias disse-lhes: 'Ide para vossas casas e comei carnes gordas, tomai bebidas doces e reparti com aqueles que nada prepararam, pois este dia é santo para o nosso Senhor. Não fiqueis tristes, porque a alegria do Senhor será a vossa força'.

Neemias 8, 2-6.8-10


                      A leitura acima fez parte da liturgia da missa católica de domingo, 24 de janeiro, uma data cívica pouco divulgada no Brasil: o Dia da Constituição. Foi em 24 de janeiro de 1824 aplicada, ainda que por outorga do imperador dom Pedro I, a primeira constituição brasileira. Antes de continuar lendo a postagem, saiba que a palavra "lemoralética" é um neologismo formado pela combinação de lei, moral e ética.


                      Geralmente, ao longo da história, sempre que era anunciada uma nova carta magna para a nação, renovavam-se as expectativas de mudanças entre a população, expectativas por dias de mais justiça, liberdade, igualdade e fraternidade. Assim como para os hebreus do Antigo Testamento a proclamação de uma nova lei era motivo de festa, para o povo brasileiro o mesmo é válido. Todavia, na prática, nunca se viu mudança significativa nas vidas das pessoas.


                      Leis, leis, leis e mais leis. Afinal de contas, para que servem as leis??? Elas realmente têm tanto poder assim de transformar a realidade, colocando as pessoas no caminho correto do bem, da justiça e da felicidade??? O Brasil, desde que é Brasil, já teve muitas leis, umas vingaram, outras não, mas nenhuma delas proveu mais segurança e qualidade de vida aos brasileiros.


                      A legislação de trânsito atual, por exemplo, está vigente há dezoito anos e tem se tornado cada vez mais rigorosa, desde então. Almejava-se uma legislação de tráfego de primeiro mundo, como se dizia à época. Mesmo assim, o Brasil ainda está longe de ter o trânsito mais seguro do mundo. Por quê??? Não seria por causa dos nossos maus costumes e de nossa educação deficiente??? 
 
 
                      Perceba que as leis jamais conseguiram endireitar hábitos e costumes de um povo, embora elas visem balizar suas condutas, estabelecendo o que pode ou deve ser feito e como, pois, sem elas, tudo vira anarquia. Como diz uma canção da Legião Urbana, disciplina é liberdade.









Nenhum comentário:

Postar um comentário