Missão

Nossa missão: Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Display

FELIZ PÁSCOA!!!

Wikipedia

Resultados da pesquisa

Translate us (traduza-nos)

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Debutantes 2




                           Continuando a conversa sobre os aspirantes à política, observe que os meios de comunicação nos apresentam essencialmente problemas, problemas, problemas e mais problemas que só se agravam, com o passar do tempo. Eventualmente, aparecem uns indivíduos que, aparentemente, se propõem a resolvê-los, mas quase ninguém toma alguma atitude no sentido de realmente resolver alguma coisa. E o Brasil segue entregue às baratas, sem um governo que realmente faça algo de concreto pelo bem estar da coletividade.


                           Parece que há entre a maioria de nossas lideranças um pacto tácito de manutenção do status quo e da ignorância da maioria do eleitorado. A insegurança pública, por exemplo, persiste, e não se veem atitudes ousadas, inovadoras e efetivas do poder público no sentido de resolver esse problema porque, certamente, essa situação é conveniente para alguém. Por vezes, passa-se a impressão de haver algum acordo (in)consciente entre o poder público e o crime organizado.


                           Definir a melhor forma de financiamento eleitoral no Brasil é estar entre a cruz e a espada. Se decidem que o financiamento deve ser estritamente público, isso implica no uso de recursos públicos oriundos de nossos impostos por meio de um fundo partidário. Dinheiro que poderia ser melhor empregado em áreas essenciais como, por exemplo, saúde, educação e segurança pública, financiando campanhas eleitorais, o que é moralmente inaceitável. Por outro lado, se o financiamento também puder vir de fontes privadas, permite-se a continuidade da velha política do toma-lá-dá-cá, ou seja, uma troca de favores. Empresas “doam” dinheiro para candidatos na esperança de que, uma vez eleitos e empossados, eles criem situações que favoreçam as contratações dessas empresas em licitações públicas para que elas lucrem com obras e serviços superfaturados.


                           A quem quiser entender melhor como a política funciona no Brasil e porque os nossos maiores problemas parecem se perpetuar, recomendam-se as leituras dos livros O Nobre Deputado e A República da Propina, de Márlon Reis, juiz eleitoral aposentado, ex-candidato à governador de Tocantins e um dos idealizadores da iniciativa popular que deu origem ao projeto de lei da Ficha LimpaJá para quem não quiser se revoltar e se desesperar ainda mais com as mazelas do Brasil, é melhor que permaneça na santa ignorância e se deleite com as festas juninas e com mais uma copa que se avizinha.




---X---


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Moral da história

Moral da história