Missão

Nossa missão: Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Display

FELIZ PÁSCOA!!!

Wikipedia

Resultados da pesquisa

Translate us (traduza-nos)

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

sexta-feira, 5 de abril de 2019

Imoralidade



                 Cena 1:

                 O sujeito era médico efetivo num município onde recebia pouco e se sentia muito explorado, até que se viu afrontado no trabalho, quando a nova secretária de saúde local chegou (des)tratando-o de um modo que mesmo sua esposa não costumava tratá-lo assim, gritando e reclamando que ele também estaria trabalhando noutro município, que não estaria cumprindo integralmente a carga horária preconizada pelo concurso público e que o acordo de cavalheiros feito com o secretário de saúde que o admitiu, para trabalhar lá por menos horas semanais, na prática, era uma imoralidade. Foi a gota de água, para que, no mesmo mês, ele pedisse exoneração daquele serviço público. E ele disse pessoalmente ao prefeito que não se sujeitaria a trabalhar mais do que já trabalhava pelo mesmo salário. Pesando os prós e os contras, ele viu que não valeria a pena manter vínculo empregatício de servidor público naquele município, com muitos encargos e pouca qualidade de vida. Ele precisava cortar os laços que o prendiam, para crescer profissionalmente e sobreviver.


                 Cena 2:

                 Semana passada, um menino de cinco anos de idade com síndrome de Down morreu, enquanto estava "internado" e aguardando leito, numa cadeira de um corredor de um hospital público, em Goiânia. Ele teria entrado com quadro suspeito de dengue, teria sido avaliado, medicado e posto em observação, até que, subitamente, sofreu uma parada cardiorrespiratória, que não foi revertida.  


                 Por que o garoto morreu? Ainda não se sabe ao certo. Por que ele e tantas outras pessoas estavam sentados e "internados" nas cadeiras de um corredor? A culpa não foi de quem estava trabalhando no hospital. A culpa foi do sistema. A demanda é imensa, e o sistema não se rearranjou devidamente para prover a devida cobertura ao público requisitante. Depois de 30 anos de SUS, na saúde pública, ainda falta muita coisa. Falta espaço. Falta infraestrutura. Falta mão de obra. Faltam recursos. E falta vergonha na cara de alguém, às vezes. Nada mais triste que a morte de uma criança. Parece que a vida parou de vez. Aos familiares do pequeno, só restam a dor e a revolta. 


                 Cena 3:

                 Entende-se que segurança pública é uma necessidade e um dos maiores clamores do povo brasileiro, mas não se justificam investimentos tão vultuosos e questionáveis nessa área, em detrimento de outras, como acontece em Juazeiro do Norte, por exemplo, onde investiram uma soma extraordinária para a compra de apenas quatro viaturas da Guarda Municipal
 


                 Comparando as três situações apresentadas, fica difícil saber qual delas é verdadeiramente uma imoralidade.



---X---



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Moral da história

Moral da história