Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.

Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.
Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

quinta-feira, 15 de março de 2012

Trote 2




Voltando à questão do movimento estudantil, politização não é tudo, mas deveria ser lembrada na formação de qualquer indivíduo, não apenas dos universitários. Quando digo politização, não me refiro à vinculação obrigatória a um determinado partido político. Politização é quando o cidadão conhece sua razão de ser cidadão e de viver em sociedade, sob a tutela do Estado, sabendo o que é o Estado, como ele funciona e para que ele serve. Muita gente sai da escola sem saber o básico a respeito desse tema e, por isso, não sabe como nem onde reivindicar seus direitos e cumprir seus deveres adequadamente. Ainda sou muito jovem para dizer se, quando havia as disciplinas de OSPB (Organização Social e Política Brasileira) e de moral e cívica nas escolas, a situação era melhor que hoje. Se alguém souber, por favor me diga.

 Em época de recepção de calouros, isto deveria ser considerado. Eles deveriam ser convidados a ter algum contato com o movimento estudantil de suas faculdades, assim como eu tive, quando ingressei na medicina, um contato imparcial, livre de maniqueísmos político-partidários, embora minha faculdade fosse forte e sutilmente regida por esse tipo de interesse. Nos tempos da ditadura, não se ouvia falar em trotes como os de hoje. Os universitários da época eram mais politizados, não tinham tempo para pensar em humilhar seus companheiros de jornada de maneira tão baixa e infantil, sem contar que a própria ditadura reprimia com mais rigor o trote, como se pode ver em http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI3581494-EI6788,00-Trote+nunca+mais.html e http://www.fernandomolica.com.br/blog/2009/02/o-fascismo-dos-trotes.php. Coincidência ou não, geralmente os trotes são promovidos por centros acadêmicos pouco politizados, por associações atléticas totalmente despolitizadas ou por grupos isolados de indivíduos totalmente despolitizados. 
                    Este problema não é exclusivo das universidades civis. Ele também acontece com mais frequência ainda, e de maneira velada, em escolas militares. Nos vídeos abaixo, temos exemplos disso, registrados na Rússia e no Brasil, respectivamente. Trotes acontecem nessas instituições e não são engolidos pelos calouros apenas como tradições nos rituais de iniciação das academias militares, mas também são aceitos como parte dos treinamentos para as guerras. Os calouros então se resignam e se calam, por força do bullying imposto pelas hierarquias militares. Será que tudo isso é realmente necessário??? Eu já comentei sobre esta história de dar a cara à tapa literalmente. Esse é o tipo da coisa que não devemos ensinar aos novos filhos.







************


Nenhum comentário:

Postar um comentário