Missão

Nossa missão: Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Display

FELIZ PÁSCOA!!!

Wikipedia

Resultados da pesquisa

Translate us (traduza-nos)

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Em busca da fonte da juventude 1


“O calendário indica o perpassar do tempo. Teu rosto mostra o que dele fizeste.”

Provérbio popular


Um dia desses... Minto, há alguns anos, venho matutando com meus botões a respeito da passagem do tempo para mim e suas repercussões em minha vida. Venho fazendo um levantamento do que mudou em meu corpo e em minha mente.
Há alguns anos, encontrei uma pessoa com quem estudei no colégio e esta disse que eu não tinha mudado nada e me perguntou o que eu tinha feito para me manter jovem. Naquela altura, eu já não me achava tão jovem, mas as justificativas que eu tinha ao alcance da mão era que eu fazia musculação diariamente, coisa que voltei a fazer, recentemente, e que eu me barbeava diariamente, coisa que nunca deixei de fazer. Apesar disso, como diria o filósofo, eu fiquei mais cevado esses anos.

Mais ou menos na mesma época, uma companheira de faculdade chegou e disse que viu uma foto minha no Livro do Ano de um primo ou cunhado dela, ou coisa parecida, e que, portanto, eu havia estudado no mesmo colégio que aquele cidadão. Foi então que comecei a me dar conta de que estava envelhecendo. Isto aconteceu logo num dia em que eu estava fazendo aniversário.

Outra coisa que me dói, é porque, de uns tempos prá cá, logo depois que me formei, quase todo mundo lá fora me chama de senhor. Minha mãe diz que é normal chamarem os médicos de senhor ou senhora. Entretanto a maioria daquelas pessoas que me chamam de senhor nem sabem minha profissão.
Ainda não consegui aceitar que cheguei tão depressa à idade que tenho hoje. Às vezes, me acho um "menino véi", mas as pessoas lá fora já estão me chamando de senhor, há algum tempo. O que houve comigo?
Retrato
Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.
Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.
Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida a minha face?


Cecília Meireles

Isto foi apenas um aperitivo. Darei continuidade a este tema nas próximas postagens.



************



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Moral da história

Moral da história