Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.

Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.
Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Treze ponto cinco


                          Para encerrar as postagens relativas ao dia 13 de dezembro, infelizmente também temos que nos lembrar que, nessa data, houve fatos desagradáveis, como a decretação do Ato Institucional número 5, o AI-5, o mais rigoroso do regime militar, sobre o qual discorri extensamente, lá no Consciência Acadêmica, há quatro anos.

                          Desde então, muita coisa mudou. Hoje, por exemplo, todo mundo sempre aceita calado tudo que o poder público faz conosco. Cada um para o seu lado. Cada um só pensando no seu. Ninguém se une, nem se mobiliza para fazer resistência às atitudes dos governos ou de instâncias superiores. Todo mundo segue seu caminho calado, no máximo abrindo a boca para dizer um amém. Isso é o que mais me irrita. Essa inércia, esse comodismo e esse conformismo atuais da maioria dos brasileiros, indolentes e incapazes de se mobilizarem e fazerem frente ao que vem de cima, quando se sentem incomodados com algo. Nem para dizer um "ai" nos prestamos, principalmente se estivermos ocupados, na platéia de uma novela das oito ou de um reality show, por exemplo.


                          Somos ligados a um grande computador e imersos numa realidade criada por ele, onde somos o que ele quer e fazemos o que ele manda. Achamos tudo muito natural e não nos questionamos. Por vezes, ganhamos em troca de nossa obediência algumas fontes de prazer efêmero, como acesso às drogas lícitas e ilícitas e ao "amor livre", porque, em contrapartida, somos também combustíveis dessa Matrix à qual estamos conectados. Ainda precisamos dela para sobreviver e ela precisa de nós. Ninguém tem coragem de dar um passo à frente e dizer que está cansado disso e que está tudo errado. Ninguém tem coragem de buscar sua liberdade e a de seus semelhantes. Até quando tolerar tanto silêncio e tanta passividade???

                           Para marcar esta reflexão, deixo um clipe da célebre e rebelde canção "Cálice", interpretada por Pitty, e deixo também, como sobremesa tão doce quanto um petit gateau, um clipe de "Assim sem você", na voz de Adriana Calcanhoto, em homenagem à minha Ane, que sempre esteve comigo, mesmo distante, nos últimos quatro anos.  






******


Um comentário:

  1. UM FELIZ NATAL! UM PRÓSPERO ANO NOVO! VOTOS DE PAZ, SAÚDE, FELICIDADES E PROSPERIDADE PARA VC E TODA A SUA FAMÍLIA!
    http://www.luceliamuniz.blogspot.com.br/2012/11/natal-de-amor.html

    ResponderExcluir