Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.

Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.
Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

domingo, 15 de abril de 2012

Salvar vidas


Tenho matutado com meus botões sobre o quanto é preocupante o fato de profissionais e estudantes e profissionais da área de saúde, especialmente da medicina, estarem com reduzida auto-estima e deixando de acreditar no valor de seu trabalho.
Muita gente que vem para a área de saúde se justifica dizendo que queria salvar vidas. Salvar vidas. Um ato nobre. Compensa praticá-lo sempre???
Há alguns anos, um amigo meu questionou o valor do ofício de salvar vidas, ao citar o exemplo de um oficial dos bombeiros, cuja função também era a de salvar vidas, que foi baleado durante um assalto e ficou paraplégico. O amigo lamentou que nós da medicina somos treinados para salvar a vida de quem quer que seja, mesmo que seja alguém como o assaltante que atirou no bombeiro. Qualquer um de nós está sujeito a isso. Trabalhamos para salvar vidas de grupos de pessoas que incluem marginais e podemos ser recompensados assim.
Volta e meia, a imprensa mostra imagens de meliantes chegando às salas de emergência feridos, depois de trocarem tiros com policiais. Por mais graves que os casos sejam, quase sempre eles sobrevivem e voltam a aprontar nas ruas. Tudo graças a gente como nós. Enquanto isso, pessoas de bem, dificilmente sobrevivem, ao tomarem tiros ou sofrerem acidentes de trânsito. Quem vai entender?
Então você me pergunta se eu ajudaria aqueles bandidos, caso eu estivesse trabalhando naquelas situações. Claro que eu ajudaria. Eu não tenho pena deles. Fizeram por onde merecer passar por tal suplício. Os maiores prejudicados por suas atitudes não são as pessoas que eles assaltam, mas sim os seus próprios familiares, que, não raro, estão entre os primeiros que se dirigem aos hospitais, em busca de informações. Nessas horas, seria interessante se os criminosos estivessem bem acordados para verem as conseqüências de seus atos e para que saibam que eles mesmos são culpados de todo o sofrimento impingido aos seus familiares que estão aos seus redores. Um castigo assim é até melhor que a cadeia ou que a morte. O que será que os criminosos pensam, ao verem que estão matando de desgosto seus familiares??? 
Em um episódio da série Dr. House, transmitida em canal por assinatura, a equipe teve nas mãos um paciente que era ditador de um país africano e que cometeu crimes semelhantes aos de Saddam Hussein. Então a equipe ficou em dúvida, se valia a pena salvar a vida daquele sujeito, permitindo que ele saísse livre para continuar com sua barbárie. Ficou a pergunta no ar: tem o médico direito de fazer justiça, decidindo quem deve partir ou ficar???
Enfim, se é para salvar vidas, eu o farei, dentro de minhas possibilidades. Fazer o bem não é dever apenas do médico ou do enfermeiro. É dever de todos os seres humanos. Não me arrependo da prática do bem. Me arrependo é de ter deixado passar mais oportunidades de praticar o bem, prestando socorro a quem precisa e aliviando sofrimentos. Se há quem prefira negligenciar isto e viver da prática do mal, o problema é deles. Não vou achar que eles estão certos só porque suas atitudes aparentemente compensam, nem mudar meu jeito de pensar por causa deles. 





*****




Nenhum comentário:

Postar um comentário