Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.

Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.
Tire o pé do acelerador e redimensione sua vida.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

domingo, 18 de maio de 2014

Caverna


                       Por vezes, temos a sensação de ter vivido boa parte da vida num buraco. Na verdade, por vezes ainda nos sentimos como se lá dentro ainda estivéssemos. Se esta metrópole fosse uma casa, teríamos nascido num quarto dos fundos, perto do quintal. No entanto, se pensar melhor, perceberá que todo mundo vem de lugar nenhum para chegar a um lugar qualquer, mas sempre traz um peso extra e incômodo, de onde quer que venha, na bagagem, por mais que dele tente se desfazer, ao longo do caminho. 

                       Por vezes, fora daquele buraco, parecemos estrangeiros ou alienígenas, como já foi dito noutra postagem, por parecermos incapazes de interagir com quem está lá fora e parecermos incompatíveis com aquelas pessoas. Isto nos lembra um pouco aquela parábola da caverna, escrita por Platão, filósofo grego, em seu livro A República, publicada mais de quinhentos anos antes de Cristo. 

                       Basicamente, a parábola fala sobre pessoas que passaram suas vidas presas em uma caverna, vendo apenas o reflexo da luz do sol em uma parede. Por vezes, juntamente com essa luz, eles viam sombras de objetos ou de pessoas que passavam lá fora. Era assim que eles viam a vida lá fora. Até que um daqueles indivíduos se libertava e saía para fora da caverna. Em princípio, a luz externa ofuscava-lhe a visão, até que ele se habituava e conseguia enxergar com mais clareza como era o mundo de verdade. Então, ele voltava à caverna para contar a novidade aos que lá haviam permanecido e estes o tomavam por louco, porque acreditavam que a realidade do mundo era aquela que eles viam por meio das sombras projetadas nas paredes da caverna. 

                        A parábola quer dizer que muitas pessoas têm visões de mundo muito limitadas, porque só conhecem o mundo sob um ângulo bem restrito, a partir de uma única posição. Certamente, elas nunca quiseram ou puderam expandir suas mentes, porque nunca quiseram ou puderam sair de suas cavernas ou de suas ilhas e conhecer outras realidades, a partir de outras posições, assim como o protagonista de A Felicidade Não Se Compra, que tanto tentou sair de sua rotina e explorar o mundo, sem sucesso.



************



Nenhum comentário:

Postar um comentário