O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

domingo, 18 de novembro de 2012

Na oficina de Deus 5


                Como você já sabe, o ator e diretor global Marcos Paulo eternizou-se, no final de semana passado. Pois bem, o que mais me chamou a atenção na carreira desse ator, além de ter sido diretor do filme Assalto ao Banco Central, foram suas atuações como médicos em novelas.


                Em Quatro por Quatro, ele era Gustavo, um dos vilões da trama, um diretor de hospital, corrupto, prepotente e arrogante, que sempre pegava nos pés dos médicos residentes de seu hospital, estando entre eles seu filho, que era conhecido pela alcunha de "Ralado" (Marcelo Farias).

                Já em Páginas da Vida, ele era Diogo, um médico infectologista que participou de missões humanitárias na África, prestando assistência às crianças soropositivas do lugar, até que retorna ao Brasil e cria uma certa celeuma, ao instalar um ambulatório de infectologia, num hospital filantrópico católico. Para este último papel, o ator chegou a passar algumas semanas excursionando pela África. Como se vê, ele interpretou dois modelos de médico: aquilo que não devemos ser e aquilo que podemos ser, respectivamente. Deter-me-ei mais de perto neste modelo mais recente.


                Não sou muito de ver novelas, mas, por acaso, vi uma cena de Páginas da Vida que me marcou, como aluno do segundo ano de medicina. Procurei vídeos dessa cena na Internet mas não os encontrei. Era uma cena que mostrava uma postura do doutor Diogo, à beira do leito de um paciente aidético. Só me lembro de ele ter dito ao paciente algo do tipo: "Posso fazer você se sentir melhor do que possa imaginar" ou "Posso fazer por você mais coisas do que você possa imaginar".

                A conduta do doutor Diogo me pareceu correta e elegante, mas esta frase pode ser tomada por um paciente nessas circunstâncias de duas maneiras: pode funcionar como um estímulo para que ele se sinta motivado a aceitar o tratamento com otimismo e a colaborar, mas ele pode também tomar como falsas promessas de cura da infecção pelo HIV, por exemplo. De qualquer maneira, o doutor sabia o que estava falando, haja vista que a medicina possui recursos capazes de tratar pacientes aidéticos com infecções oportunistas em estados muito graves, outrora sem perspectivas de recuperação, propiciando-lhes melhoras surpreendentes do estado geral, mesmo não sendo ainda possível eliminar o vírus do organismo infectado. Resta apenas esse calcanhar de Aquiles, para a infectologia. Isto tem seu lado bom e seu lado ruim, não apenas para a infectologia, mas para a medicina em geral. Explicarei melhor, na próxima postagem.

                Por hora, encerro dirigindo aqui meus votos e minhas preces para que Deus receba e guarde Marcos Paulo e outras pessoas que se eternizaram, em Sua oficina, ao longo da semana que passou, e que Ele conforte as famílias dessas pessoas, preenchendo, na medida do possível, os vácuos que elas deixaram no mundo.

                Apesar da temática desta postagem, não posso deixar de registrar a passagem de mais uma primavera com clima de verão sobralense para minha querida Ane, a quem homenageio com um clipe de uma canção de Lulu Santos que expressa o que senti, quando nos conhecemos. Feliz Aniversário, amor.              





******




Nenhum comentário:

Postar um comentário