O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

sábado, 21 de janeiro de 2012

Realidade Nua e Crua do País Do Carnaval, por Cleyton


                       O texto a seguir foi escrito pelo amigo Cleyton, em resposta a alguém que fez uma declaração infeliz, a respeito do aumento recente na tarifa de transporte coletivo em Vitória, justificando-a, ao atribuir a culpa à nossa colonização portuguesa e à extensão territorial de nosso país.


O território Brasileiro é indiscutivelmente incomensurável, tratando-se de nossa imensa extensão e não possui apenas contrastes climáticos, geológicos, demográficos e fortemente sociais como muitos de nós fomos ensinados na escola ou assistimos via esta mídia que em muitas vezes é até sem ética e que pode muito bem estar apenas visando somente os seus próprios interesses, algo que é natural em nossa sociedade. Chegamos a ver recentemente, “mesmo que por poucas vezes” um pouco do sofrimento de muitos, normalmente assistimos cenas chocantes, um documentário de teor grosseiro ou ouvimos por algum meio, algo que nos acaba comovendo por ser excessivamente sensacionalista. Mas nem sempre se consegue dar um basta. Não se põe em prática absolutamente nada.

Muitas vezes
pode ser que ocorram certos interesses por trás de tudo isso. Infelizmente, muitos de nossos conterrâneos esquecem os problemas de uma forma rápida de mais, pois logo surgem outros problemas ou máscaras sociais. E assim prossegue! Infelizmente uma catástrofe ou um simples novo problema os faz esquecer os anteriores. E a vida continua! Afinal o que seria de nossas vidas sem problemas, independente do calibre.

Será mesmo que nossa nação realmente é impossível de ser bem administrada como diversas autoridades afirmam? Entram anos e saem anos e as promessas já conhecidas dificilmente se concretizam. Os projetos sim! Saem de uma equipe, passa para outra onde alteram alguns detalhes, depois passa para outra nova equipe que mais uma vez altera detalhes pífios e infelizmente permanece essa banalidade de um jogar para o outro até parar definitivamente ou se concretizar com muita dificuldade e transtorno para a população. Normalmente gerando mais custos. E inicia-se e temporada de conversas belíssimas de encher os olhos de lágrimas e arrebatarem os corações sendo as promessas sempre as mesmas.
Temos certeza que é difícil agradar a gregos e troianos. Cito isso em relação a nossa população que cresce a cada dia. Devido nossa incontestável extensão territorial.

Somos donos de praias belíssimas, serras e chapadas exuberantes, mas a disponibilidade “Fisicamente” é apenas para a minoria. Grande parte as conhece por fotos e nossa rede televisiva que mais existe para desagregar as famílias e criar marcas onde os próprios proprietários ou sócios podem chegar a fazer parte do meio. Possuímos belezas naturais sim e incomparáveis, mas que servem mais para turistas que procuram entorpecentes e a prostituição. Existem estas situações que não torna nosso Brasil nem um pouco próximo de atingir a perfeição e continuando assim jamais será. Possuímos diversos problemas que em certas situações são tampadas com a peneira ou simplesmente escondidas das demais pessoas, tornando-as alienadas mal sabendo onde moram... Posso até utilizar a expressão: “Sobrevivem sem ter a verdadeira noção do que ocorre com os nossos próprios conterrâneos”.

Será que já não deu para cansar em colocar a culpa de todos nossos defeitos sobre nossa colonização? Sempre culpá-los após tanto tempo? Há quantos anos eles foram embora e ainda não tivemos a coragem de levantar a cabeça e lutar pelos nossos ideais?
Então o que falta? Vontade? De forma alguma! Isso todos sabemos que nosso povo tem de sobra, O que realmente falta é coragem e não apenas abrir a boca para um amigo ou vizinho, mas gritar para quem ouvir se motivar, gritar também e tornar um coral de pessoas indignadas com o momento que passamos! ”Infelizmente vive-se um período retrógrado, onde o que vale é a conhecida lei do pão e circo, onde apenas passou a se chamar lei do trabalho escravo e Festinhas... Até quando esse povo vai cansar e partir para ação. Será que iremos passar mais 100... 400... 500 anos nesta mesma situação? Quais de você não ouviram mesmo por piçarra um amigo falar – Eu vou ser é político. Não banalizemos a classe, pois sabemos de existem caso de pessoas que honram o seu trabalho e que espero que continuem por muitos anos e que não se corrompam por tão pouco como muitos... Mas grande maioria está lá pra se dar bem, ter seu espaço e conseguir o que jamais um trabalhador honesto que dá o sangue pelo País conseguiria.... 
CMF

                        Saiba mais em http://psol50.org.br/blog/2012/01/11/manifestacoes-em-vitoria-es-contra-reajuste-das-passagens-dos-onibus/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=manifestacoes-em-vitoria-es-contra-reajuste-das-passagens-dos-onibus, http://www.capixabao.com/v3/noticia/9585/geral/depois-de-pedagio-passagem-de-onibus-sao-reajustadas-na-grande-vitoria/ e http://www.vitoria.es.gov.br/secom.php?pagina=noticias&idNoticia=7700.


*******


Nenhum comentário:

Postar um comentário