Missão

Nossa missão: Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Display

Wikipedia

Resultados da pesquisa

Translate us (traduza-nos)

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Lição moral bastante atual

Lição moral bastante atual

sábado, 25 de maio de 2013

Retorno

 
         
                De uns tempos para cá, mesmo sem ter muito tempo para sentar, parar e pensar na vida, tenho sido visitado por algumas lembranças espontâneas de um passado não muito distante. Lembranças que me têm passado a impressão de que a vida, grosso modo, pode ser encarada como um círculo vicioso e que, como disse o filósofo Tim Maia, que se eternizou, há quinze anos, "a vida vem em ondas como o mar". Analisando mais detidamente o transcorrer de minha vida, nos últimos meses, cheguei à conclusão de que, nos últimos quinze anos, minha vida não mudou tanto quanto parece.



                O ano de 1998 A.D. também foi um ano decisivo e de transformações, assim como 2013 está sendo. Lá, havia também um trabalho hercúleo a ser executado por mim. Precisava me organizar e cumprir minha missão, correndo contra o relógio, que também corria cada vez mais rápido. Havia também pelo menos algumas centenas, quiçá milhares de pessoas, na mesma situação. Ninguém sabia o que nos aguardava na linha de chegada daquela corrida. O mais importante era chegar o mais breve possível, invicto e na melhor colocação possível. Conversaremos mais sobre isto em outra oportunidade.


               Assim como hoje, me sentia vagamente feliz, quando o final de semana chegava. Não comemorava internamente o final de semana em si, que sempre foi um período fugaz e pouco produtivo. Até porque meus fins de semana eram e ainda são mais curtos que os das pessoas normais. As provas do colégio eram aplicadas quase todos os sábados. Hoje, trabalho quase todos os sábados. Na verdade, comemorava apenas o fato de que mais uma semana se foi, mas a alegria durava muito pouco. Era só o tempo de tomar um fôlego, trincar os dentes e cair em mais uma semana, porque, logo a segunda-feira dava um novo ar de sua graça. E, assim, dia após dia, semana após semana, mês após mês, o tempo já ia passando tão depressa que, como já devo ter dito antes, os dias, as semanas e os meses acabavam se fundindo. Quanto mais o tempo passava, paradoxalmente desejava que o ano terminasse logo, mas queria agarrar o tempo, porque ainda não me sentia pronto para chegar ao final do ano. Ainda me sinto assim.

                Continuaremos a conversar sobre minhas memórias dos últimos quinze anos, nas próximas postagens. Por hora, deleite-se com o clipe de "Sábado à noite", uma das músicas do Cidade Negra que mais tocava nas rádios, em 1998.



*******


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Correio

Carregando comnetários... Comment Box by Codigos para blog