Viva São João!!!

Viva São João!!!
Felizes Festas Juninas.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

domingo, 14 de junho de 2015

Quando você vai botar sua banda na estrada???



              Em meados de 1974, Paul McCartney gravou com sua então nova banda, Wings, a faixa Band on the run. É uma canção interessante porque Paul a compôs inspirado nos momentos finais da existência dos Beatles, sua banda anterior, desmembrada em 1970, há exatos 45 anos.

              A letra da canção fala de uma pessoa que se sentia sufocada, por viver trabalhando entre quatro parentes, sem ter contato com o mundo lá fora e sem ver as coisas bonitas que porventura o mundo tivesse a apresentar. A pessoa expressa o desejo de mudar sua situação, para sair daquela rotina e começa a elaborar planos. Até que, um dia, ela consegue fugir de sua prisão e, correndo sob a chuva, na companhia de outras pessoas, sente-se livre, finalmente. É por isso que o ritmo da canção divide-se em três momentos, que aceleram progressivamente.


              A canção é uma metáfora da separação dos Beatles, que, em 1970, já contavam pelo menos 08 anos juntos na estrada. Para eles, o que começou como uma brincadeira de adolescentes acabou como uma empresa beirando à falência. Quase todos os quatro já eram pais de família e já não mais podiam se dedicar de corpo e alma àquele negócio como outrora. Àquela altura, os quatro rapazes de Liverpool já estavam cansados e saturados daquela rotina de trabalho, além de sentirem sufocados e impedidos de expressarem plena e verdadeiramente seus potenciais artísticos individuais. Deve ser por isso que muitas das últimas canções gravadas pelo grupo já apresentavam traços que viriam a ser desenvolvidos e tornar-se-iam mais nítidos nas carreiras solos de cada um.

            
              Eles abdicaram das apresentações públicas para multidões em 1966, para tentar estabelecer um foco na produção de trabalhos musicais de laboratório, restritos às gravações em estúdios. Em princípio, aquela tática deu certo, e, como se pode conferir no álbum Magical Mystery Tour, lançado em 1967, por exemplo, eles se revelaram uns verdadeiros alquimistas musicais, produzindo músicas de qualidade e de vanguarda, que destoavam de outras músicas da época e cujas melodias ecoam e se impregnam, em 2015, nos ouvidos até mesmo daqueles que nasceram depois da dissolução do grupo.


              Acredita-se que eles deram tudo de si, para manter aquele laboratório funcionando, enquanto havia reagentes e motivação, mas aquilo teve um preço. Quatro gênios trabalhando entre quatro paredes de um estúdio e cada vez mais isolados do resto do mundo, logo começaram a surgir as buscas individuais por espaços e as faíscas. O relacionamento entre eles deve ter se desgastado e caído na rotina. Quando eles perceberam que o resultado do trabalho estava ficando muito repetitivo e que o pão que saía da fornalha estava ficando insosso, eles acharam por bem desligar tudo e parar, em respeito à reputação que haviam construído até então.


              Pode parecer muita pretensão nossa, para quem não viveu na época em que a banda estava ativa, tentar sondar o que aconteceu e fazer conjecturas sobre seu fim. À título de comparação, as histórias das grandes civilizações da antiguidade, como Egito e Roma, por exemplo, ainda são estudadas por indivíduos que nasceram no século XX.


              Como podemos trazer para nosso cotidiano esta e outras lições deixadas pelos Fab Four, especialmente por Paul McCartney com sua banda em debandada pela estrada??? Talvez você esteja passando por situação semelhante em sua vida, prisioneiro de uma rotina dedicada a um trabalho que não o engrandece como você esperava, voltado exclusivamente ao pagamento de dívidas, e que você entende que também não traz resultados satisfatórios para a coletividade.


              A culpa não é de todo sua, se isso acontece assim, mas, como já deve ter sido perguntado, por que você não procura sair dessa vida e ampliar seus horizontes e seu nível de consciência??? O que impede você de sair desse carrossel em que se transformou sua vida e tentar mudá-la??? Você já mudou de trabalho algumas vezes, por exemplo, mas sempre muda para algo pior, como se saísse de um estágio do inferno de Dante para outro, não é mesmo? O que está acontecendo, então?


              Talvez não seja tanto a falta de sorte, mas, antes disso, falta de foco em sua visão, deixando sua visão turva e fazendo-o andar trôpego como um bêbado. Deve ser por isso que você anda tão perdido na vida.


              Tenham todos um bom domingo. Aproveitemos e saudemos sir Paul McCartney, que completará mais um ciclo, no próximo dia 18. Muita saúde e alegria de viver, para ele e para os demais aniversariantes desses dias. E "vamu butiá bunecou".












### ### ### ###






Nenhum comentário:

Postar um comentário