Missão

Nossa missão: Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Display

FELIZ PÁSCOA!!!

Wikipedia

Resultados da pesquisa

Translate us (traduza-nos)

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

domingo, 7 de junho de 2015

Prescrição ou proscrição



                      Uma coisa é autorizar a venda e o consumo da maconha in natura, para fins recreativos. Outra coisa é autorizar a pesquisa e o emprego de substâncias canabinóides, o que abrange princípios ativos extraídos da planta maconha e seus derivados, na fabricação de medicamentos. O mesmo acontece com os medicamentos opióides (derivados do ópio), como a oxicodona, por exemplo, a droga predileta do doutor Gregory House, que, em geral, são prescritos como analgésicos potentes, enquanto a heroína, que é uma droga basicamente recreativa, continua proscrita, em muitos países.



                      Você deve ter ouvido falar, por exemplo, de um caso recente de uma criança brasileira que perece de crises convulsivas epilépticas persistentes e recorrentes, cujos pais se viram obrigados a pleitear judicialmente o direito de importar um medicamento canabinóide, o único que teria controlado efetivamente as crises. O CFM (Conselho Federal de Medicina) também concedeu aval para que os médicos prescrevam esse tipo de medicamento. Você pode conferir aqui o parecer oficial do conselho sobre o tema, contendo alguns esclarecimentos técnicos.  




### ### ### ###



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Moral da história

Moral da história