Viva São João!!!

Viva São João!!!
Felizes Festas Juninas.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Friday Bloody and Black Friday



                      É chegada a famosa sexta-feira do feriadão americano de Ação de Graças, a Black Friday, marcada por promoções no comércio dos Estados Unidos, que se expandiram por todo o mês de novembro e por todo o mundo. O título desta postagem é resultante da combinação do termo Black Friday  com o título da música Sunday Bloody Sunday, do U2, que faz alusão a um massacre ocorrido na Irlanda, nos anos 1970.


                      Estamos fazendo alusão combinada a esses dois eventos, porque, como você já deve saber, a sexta-feira 13 deste mês também foi considerada uma sexta-feira negra, urbi et orbi, assim como aquela semana inteira que a precedeu. Foi uma semana assinalada por pelo menos três tragédias que afetaram o Ceará, o Brasil e o mundo.
 
 
                      Aquela semana começou com as consequências do rompimento de uma barragem, no interior de Minas Gerais, que devastou uma localidade rural do município de Mariana e as vidas de muitas famílias, além de poluir o rio Doce, principal manancial de água potável da região, comprometendo ecossistemas, economias e sobrevivências de quem vive no leste de Minas Gerais e em partes do Espírito Santo por onde corre o rio, que arrasta metais pesados e outros poluentes oriundos dos trabalhos de mineração executados naquela barragem. Gastou-se tanto dinheiro e material na busca de metais aparentemente preciosos, que acabou-se perdendo muito do que há de mais precioso para a sobrevivência humana: água potável.
 

                      Na mesma semana, houve uma chacina em um bairro da periferia de Fortaleza, com pelo menos 10 mortos, sem motivação aparente ou evidente. Ainda em Fortaleza, na mesma semana, pelo menos 03 policiais assassinados, em tentativas de assaltos.
 
 
                      Para fechar aquela semana, na sexta-feira 13, houve aquela série de atentados em Paris, quando bombas explodiram num estádio de futebol e franco-atiradores fuzilaram inocentes em bares, restaurantes e boates de zonas turísticas.

 
                      O que todos aqueles eventos podem ter em comum??? Eles são provas de que, em qualquer lugar do mundo, em distintos graus, há generalizados abandono, descaso e desrespeito com a vida humana pelo poder público, que não provê aos cidadãos aquilo de que necessitam para viver com qualidade de vida e ser felizes, como, por exemplo, saúde, educação e segurança. Ou seja, o Estado não é capaz de proteger qualquer um. Estamos todos vulneráveis.


                      No Brasil, cuja realidade conhecemos melhor, percebemos que a violência está fora de controle. Mesmo assim, somos capazes de nos sensibilizarmos com o que acontece além mar, nos expressando e nos solidarizando com os afetados por aqueles eventos, nas redes sociais, mas não olhamos tanto para o que acontece em casa. Quiçá as nossas tragédias domésticas já não mais nos surpreendam ou nos emocionem tanto, porque vivenciamo-las em prestações e porque a violência aqui já está bastante banalizada. Por isso, já não mais a levamos tanto a sérioNão precisamos de um Estado Islâmico aqui para tentar desestabilizar e infernizar nossas vidas. Já produzimos nossos maiores inimigos no dia a dia. Num momento oportuno, conversaremos sobre o porquê da existência de grupos como o Estado Islâmico.


                      Encerra-se a postagem com um poema de Carlos Drummond de Andrade, escritor mineiro falecido em 1987, que veio à tona, recentemente, mas que já antevia o perigo que o rio Doce corria, há mais de 30 anos. Antes, recomendamos que, se quiser rezar por Paris, fique à vontade, mas não se esqueça de rezar também por sua terra, pelo Brasil e pelo mundo. Recomendamos também que se procure dar mais valor à vida humana do que às compras compulsivas.



I
O Rio? É doce.

A Vale? Amarga.

Ai, antes fosse

Mais leve a carga.
II
Entre estatais

E multinacionais,

Quantos ais!
III
A dívida interna.

A dívida externa

A dívida eterna.
IV
Quantas toneladas exportamos

De ferro?

Quantas lágrimas disfarçamos

Sem berro?


                       Tenha um bom final de semana e boas compras, se for o caso.








Nenhum comentário:

Postar um comentário