Viva São João!!!

Viva São João!!!
Felizes Festas Juninas.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Civilização


                          Compreendo que a imagem ilustrativa desta postagem parece meio séria e meio nojenta, mas o objetivo é chamar a atenção mesmo, para mais uma coisa que tenho percebido e que tem me deixado intrigado, há bastante tempo, e que, talvez você também tenha se sentido assim, por conta disso.

                          Você já reparou que os brasileiros, em geral, tem o péssimo hábito de reclamar que o Brasil é um país atrasado, onde nada parece funcionar direito, e tudo lembra uma casa abandonada??? Os brasileiros reclamam mais ou menos como se fossem uma pessoa que mora sozinha e que vive reclamando que sua casa está sempre suja e desarrumada, compreende?

                          Trânsito caótico, em muitas vias mal pavimentadas e mal sinalizadas. Lixo espalhado no chão. Muitas pessoas ainda não sabem ler e escrever, adequadamente. Muitas pessoas ainda não conseguem empregos estáveis e que remunerem adequadamente. Muitas pessoas ainda passam fome, diariamente. Muitas pessoas ainda não têm acesso adequado à serviços médicos, quando precisam. Muitas pessoas ainda acham que é normal roubarem ou serem roubadas.

                          Para todas as mazelas do Brasil, sempre aparece a desculpa de que ainda somos um país pobre do Terceiro Mundo, que ainda está principiando a experimentar algum crescimento econômico, de uns dez anos para cá. Sempre a velha desculpa de que, no Brasil, tudo é feio e nada funciona, por culpa dos políticos e da corrupção.
                       
                         Você deve estar se perguntando porque estou escrevendo tudo isto, de maneira tão indignada. Há alguns dias, estava de plantão, em um hospital privado, na Grande Fortaleza, quando fui ao banheiro e me deparei com a cena acima: simplesmente deixaram o vaso sanitário aberto e sem dar descarga. Já encontrei coisas piores no vaso, outras vezes. Se aquele ambiente fosse frequentado predominantemente por pessoas que moram em áreas rurais, em casas que talvez não tenham energia elétrica ou água corrente, e que talvez não saibam usar uma privada, estaria desculpado. No entanto, não é este o caso. A maioria dos que passam por lá tem algum grau de instrução razoável, mora em zona urbana, em casas de alvenaria com água e energia, e sabe usar uma privada, mas prefere deixar o banheiro sujo, sempre achando que um outro alguém vai aparecer para limpar.

                          Não estou querendo fazer uma tempestade em um copo de água, mas apenas querendo chamar a atenção para o nível de desleixo e de egoísmo do brasileiro, em geral, que só pensa no seu. O resto é com os outros. Melhor dizendo, às vezes não pensa totalmente nem no seu, porque não quer assumir sua responsabilidade pessoal.

                          Não somos tão pobres coitados assim. Se algumas coisas estão fora do lugar, é por negligência nossa. Pequenas atitudes de cada um de nós podem fazer a diferença no cotidiano coletivo. Conversaremos mais sobre isso, em breve.


*******


Nenhum comentário:

Postar um comentário