O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Control C, control V



                      Conforme conversado noutro momento, a propaganda eleitoral no Brasil passa por um momento de aparente empobrecimento, por força das restrições legais impostas aos financiamentos e aos leiautes das campanhas, configurando-se, assim, um cenário que nos remete de volta às eleições municipais de 1976, quando vigorava a lei Facão, digo, lei Falcão.



                      Essas restrições legais não devem necessariamente empobrecer tanto assim a discussão política. É possível enxergar um cenário propício ao exercício da criatividade. Sempre é possível inovar. Além disso, é possível também o eleitor analisar melhor a propaganda de cada candidato, se não for possível encontrar o candidato perfeito, seria possível, pelo menos, colocar na balança os perfis dos candidatos à disposição. O ideal seria se fosse possível reunir em um só o melhor que cada um deles tem a oferecer, porque a maioria deles deve apresentar alguma proposta interessante e necessária, além de boa vontade para trabalhar.
                      


                      Aqui cabe uma observação sobre os candidatos de situação, principalmente sobre os prefeitos que estão tentando se reeleger. Aquilo que eles tanto prometem para as próximas gestões, no tocante à questões como, por exemplo, saúde, educação e segurança pública, por que eles não poem logo em prática nas gestões atuais, haja vista que se tratam de problemas do presente que vêm evoluindo há bastante tempo, e não são problemas do futuro???


                      Desejamos a todos os leitores e colaboradores um bom final de semana e que aproveitem as eleições deste domingo como uma oportunidade democrática de transformação social, embora o momento eleitoral não pareça tão democrático assim, se levar em conta que os resultados das eleições de 2014 tiveram que ser, digamos que desconsiderados, e que, no dia de votação, parece que estamos sempre em estado de sítio, como dito, devido à prepotência e à arrogância de alguns.




--- # --- # ---


Nenhum comentário:

Postar um comentário