Verbo

"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade."

João 1:14

Boas Festas

Boas Festas
Desejamos a todos um Feliz Natal, um 2019 de bênçãos e vidas plenas de sentidos.
O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Missão

Nossa missão: Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

Paul McCartney - Simply Having A Wonderful Christmas Time

Feliz 2019

Feliz 2019

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

A Marca da Besta



"E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome." 

Apocalipse 13,16-17


 


                         Há algumas semanas, um candidato à presidência da República fez uma promessa de campanha um tanto inusitada e revolucionária: tirar os nomes dos brasileiros das listas negras de restrição ao crédito por dívidas, sendo as mais conhecidas SPC e Serasa, por exemplo. Há também o índice Score, que estima a probabilidade de um consumidor manter em dia seus compromissos financeiros. Aparentemente, seria um gesto que demonstraria boa e nobre vontade do candidato e uma medida bastante benéfica e interessante, mas que gerou polêmica, ao mesmo tempo em que adquiriu extensa popularidade. Como o governo poderia executá-la, se esses serviços de proteção ao crédito são mantidos por empresas privadas, especialmente instituições financeiras, no sentido de resguardar as seguranças financeiras delas próprias e da economia nacional? Seria essa a melhor solução para os problemas financeiros das pessoas? Essas políticas de restrições aos créditos para pessoas inadimplentes não deixam de ter um papel educativo, no sentido de estabelecer limites às pessoas, forçando-as a uma reeducação financeira, além de refrear o consumo excessivo e irresponsável e o crescimento da inflação.


                          Os cidadãos brasileiros são reféns nas mãos das empresas, que têm livre acesso aos CPFs e jogam com eles ao bel prazer, negativando ou positivando-os abusivamente, atitudes que, na prática, culminam na suspensão ou liberação de direitos individuais, como o direito de ir e vir, por exemplo. Por mais que o governo tente regulamentar legalmente o acesso das empresas às informações pessoais, o cidadão comum continuará sendo hiper monitorado, podendo sentir o tapete ser puxado sob os pés, a qualquer momento, e ser convertido num inimigo público às margens da sociedade, impedido de se alimentar, de respirar e de viver, da noite para o dia, só porque deveu, deve ou pode vir a dever algo a alguém. Porque não falta quem monitore o cidadão, mas não há quem monitore o bandido, que consegue ter o mundo aos seus pés e tudo mais que desejar, mesmo que não tenha necessariamente uma arma na cintura.


                          Enquanto isso, o cidadão comum está sempre diante de um dilema: manter o nome limpo ou a alma limpa. Como o CPF é um instrumento de controle do Estado e de outras forças maiores sobre o cidadão, sempre requisitado em muitas situações, não seria o CPF, na verdade, a tal marca que a besta apocalíptica estabeleceu para reconhecer e subjugar seus súbitos??? Para existir, fazer qualquer coisa ou, simplesmente, viver em sociedade, o cidadão brasileiro precisa de um número de CPF válido. Noutros países, os cidadãos têm alguma numeração similar como meio de controle, ao invés de um código de barras na pele. Muitas crianças brasileiras nascidas neste século já saíram das maternidades com seus CPFs impressos nas certidões de nascimento e, teoricamente, já são monitoradas pela Receita Federal, desde cedo. Tudo está atrelado ao CPF, desde o título de eleitor, passando pela CNH, até a certidão de óbito. Ou seja, ele é a coluna de sustentação do indivíduo na sociedade. E torna-se cada vez mais difícil para o cidadão comprar o que necessita para suprir suas necessidades mais básicas sem se endividar. O que se pode esperar disso???

                          Tenha um bom final de semana, se tiver créditos suficientes para dele usufruir.



---X---



Um comentário:

  1. Texto muito elucidativo e orientador. o consumo excessivo e desenfreado...mundo capitalista. O ser humano está involuindo, voltando a ser selvagem, quebrando regras estabelecidas para se conseguir viver em sociedade. A lei do mais forte...do mais esperto...triste fim

    ResponderExcluir