O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

sábado, 30 de agosto de 2014

Dízimo


                      Há quem diga que, em vez de pagar o dízimo à sua igreja, é melhor empregar seu dinheiro no auxilio aos mais pobres e mais necessitados, porque estes precisariam mais. Ajudar as pessoas carentes é importante, e ajudar as igrejas também, pois as igrejas dependem basicamente de doações para se manterem, além de, em menor grau, da venda de produtos, como artigos religiosos, por exemplo, e de serviços, pela cobrança de taxas simbólicas para realização de alguns sacramentos, como batizados e casamentos, por exemplo.
  

                      Por isso, muitas igrejas exortam seus fiéis a pagarem o dízimo, contribuição regular mensal que corresponde teoricamente à dez por cento da renda do fiel. O dízimo não é obrigatório, mas é importante que cada um se conscientize da importância dele para manutenção de sua igreja e para que ela continue realizando seus trabalhos a contento e doe de coração. Se você preferir, pode também optar por contribuir com uma daquelas campanhas assistencialistas apoteóticas da TV, se acreditar realmente estar ajudando alguém, mas isso já são outros quinhentos.



************
 



Nenhum comentário:

Postar um comentário