O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Christmas time is here again - The Beatles

Desejamos um Feliz Natal e um 2018 de bênçãos.

Desejamos um Feliz Natal e um 2018 de bênçãos.
Que não se percam os verdadeiros sentidos do Natal e da vida.

Boas festas

Boas festas
Desejamos um Feliz Natal e um 2018 de bênçãos.

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

sábado, 25 de janeiro de 2014

Janela


“Quando tu fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu, e o dono da casa, que convidou os dois, venha te dizer: ‘Dá o lugar a ele’. Então tu ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar. Mas, quando tu fores convidado, vai sentar-te no último lugar. Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: ‘Amigo, vem mais para cima’. E isto vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados. Porque quem se eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado”.
Lucas 14, 8-11


                       Estive no show do DJ David Guetta, em Fortaleza, há algumas semanas. Um fato interessante que aconteceu naquele evento foi que, quando minha namorada se aproximou do parapeito do camarote, para melhor ver o palco, uma moça tentou impedi-la, dizendo: "Sai, este canto é do meu namorado". Ao que a primeira replicou: "Quando ele chegar, eu saio". E a outra treplicou: "A gente chegou aqui cedo prá pegar este lugar". Para evitar maior desgaste, a minha menina preferiu sair de perto, embora nós também tivéssemos pago para estar naquele camarote e tivéssemos os mesmos direitos de estar lá. O parapeito era extenso. Logo, acabamos achando um outro ponto para nos instalarmos.


                       Fatos como esse não me surpreendem. Nas nossas vidas cotidianas é assim. Em todos os lugares, um lugar na janela é o que todo mundo quer. Sempre buscamos os melhores lugares em tudo, principalmente quando se trata de um lugar para morar. Em Fortaleza, todos querem ficar na janela da cidade, com vista para o mar. A orla marítima já está praticamente toda dominada. Nela estão os lugares mais cobiçados e mais caros. Todos querem chegar à janela para ver e sentir a brisa do mar. Com a orla marítima ocupada, a cidade teve de crescer continente adentro, já chegando ao ponto de não ser mais uma cidade, mas várias cidades dentro de uma só.


                       Os quase vinte quilômetros que separam os extremos de Fortaleza do mar parecem pouco, mas a discrepância é grande entre as regiões do município. Quem se deslocar por uns cinco quilômetros no sentido sertão já vai perceber a diferença. Pode vir a se sentir como se estivesse em uma cidadezinha do interior, de acordo com o bairro em que for parar. Quem percorrer a cidade inteira vai perceber o quanto ela é heterogênea. Os bairros são como se fossem distritos de municípios do interior. Enfim, aquela imagem de Fortaleza que é propagada pela mídia interna e externamente, com uma barreira de arranha-céus erguida diante do mar para nos sufocar, não nos representa efetiva e fielmente. Não vivemos naquele lugar idealizado. Vivemos num lado morto da cidade. Conversaremos mais sobre isto.


                       Não invejo aqueles que estão na janela. Prefiro constituir família e criar cachorro e filhos em uma casinha de um condomínio fechado instalado em uma área bucólica da metrópole, se é que isto ainda existe. Até porque, se um dia, Deus nos livre, vier, de fato, um tsunami flagelar estas terras, aqueles que estão na linha de frente serão os mais prejudicados. Conversaremos mais sobre isto.



**********