O Profeta diz a todos: "eu vos trago a verdade", enquanto o poeta, mais humildemente, se limita a dizer a cada um: "eu te trago a minha verdade."

Mario Quintana

Christmas time is here again - The Beatles

Desejamos um Feliz Natal e um 2018 de bênçãos.

Desejamos um Feliz Natal e um 2018 de bênçãos.
Que não se percam os verdadeiros sentidos do Natal e da vida.

Boas festas

Boas festas
Desejamos um Feliz Natal e um 2018 de bênçãos.

Editorial

Embora o Brasil não esteja em uma boa fase de sua história e não esteja sendo bem administrado, retroceder ao passado, principalmente àquele passado mais remoto e sem resultados satisfatórios para a coletividade, não é a solução.

Uma geração acreditou que, quando a oposição chegasse ao poder, finalmente, sentir-se-ia representada. Votou em um candidato à presidente que caiu e se levantou, algumas vezes, mas agora já não sabe mais em quem confiar, porque não há mais representações legítimas, para os trabalhadores e os estudantes. Existem apenas partidos para representar seus próprios interesses ou defender os privilégios de seus aliados diretos.

Dar vazão às mentes e às vozes que querem questionar e repensar o Brasil de uma maneira distinta, objetiva e imparcial. É para isto que estamos aqui.

Display

Pesquisar neste blog

Inscreva-se e siga nossa newsletter

Translate us (traduza-nos)

segunda-feira, 26 de março de 2012

Na oficina de Deus 3

                  
                    Neste domingo que passou, em vários estádios de futebol, Chico Anysio foi homenageado pelas diversas equipes que estavam em campo, tais como Palmeiras, a equipe predileta do artista em São Paulo, Vasco, a equipe predileta da artista no Rio de Janeiro, Ceará, clube do qual seu pai, que em meados dos anos 1930 era um dos empresários mais ricos do Estado, chegou a ser presidente, e seu eterno rival, o Fortaleza, por exemplo.

                    Só abrindo um parênteses relacionado, quando eu estava no internato, finalizando meu curso de medicina, mais precisamente na parte de ginecologia e obstetrícia, havia um preceptor que passava a visita conosco na enfermaria e o que ele mais fazia de melhor era nos sabatinar. "Seu Fulano, o que é isso?", "Seu Sicrano, quais as características daquilo?", e assim por diante, tal qual a Escolinha do Professor Raimundo. Só faltava aquele professor usar um jaleco, para ficar parecido com um médico e professor. Caso contrário, pelo seu jeito descompromissado de se vestir, ele pareceria mais um visitante, literalmente, um parente de algum paciente, só passando ali para visitar mesmo. Depois eu quero falar mais sobre isto.
                    Voltando a falar sério sobre o assunto, o que mais me intriga é que Chico Anysio precisou morrer para voltar à mídia. Você deve ter notado que ele andava meio sumido. As noticias sobre ele eram apenas sobre seu estado de saúde, quando ele estava internado. Parece que a consciência da Globo pesou, se é que ela tem consciência, depois das sacanagens que fez com o humorista, nos últimos doze anos, tais como: suspendê-lo de suas atividades, só porque criticou a grade de programação da emissora, atacando, inclusive, o reality show No Limite (depois eu vou falar sobre isto), e até mesmo a então diretora da casa, Marluce Dias, e aposentá-lo compulsoriamente, há uns três anos, por exemplo. Parece que a Globo quebrou a cara. Nunca mais sua programação foi a mesma, e seu humor perdeu a graça. Para fazer uma retratação póstuma ao artista, agora o canal está exibindo vários especiais em homenagem a ele e deve reprisar, a partir desta segunda-feira, a Escolinha do Professor Raimundo.
                     Olha, logo depois da primeira sacanagem, ocorrida em 2000, os cearenses, não apenas os cearenses, mas todos os nordestinos, quem sabe todos os brasileiros, devíamos ter nos dado a respeito e repudiado publicamente aquela afronta ao nosso povo, sofrida na pele por um compatriota nosso. Eu vejo aquilo como um insulto dirigido à todos nós, porque, se excluíram Chico Anysio da telinha, juntamente com seus 209 personagens, excluíram por tabela todos os brasileiros. Devíamos ter fechado nossos televisores e nossos lares àquela infame rede. Mas não, não fizemos nada disso. Nos acomodamos, fingindo que não era conosco. No Brasil, é assim, cada um só se importa com o seu mesmo. Somos vistos pelo mundo como um povo alegre, acolhedor e solidário, mas somos mesmo egoístas e preconceituosos. Só sabemos ser solidários com aqueles que nos interessam, isso sim. Temos maus exemplos disso que acabei de escrever aos borbotões, em nosso cotidiano. Depois eu quero falar mais sobre isso.
                     Por enquanto, esperamos que Chico descanse em paz, porque, cedo ou tarde, justiça lhe será feita, se Deus quiser.



*****

Nenhum comentário:

Postar um comentário